Follow by Email

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

.:: SEGUINDO MEU CAMINHO ::.

Boa Noite, caros leitores! Hoje findou mais uma etapa da minha vida. Quem se recorda das minhas primeiras postagens, sabe bem que uma das minhas metas era relacionada ao trabalho. Pois é: o primeiro passo foi dado!

É notório (aos meus amigos e leitores) que há quase 1 ano venho trabalhando em dois empregos (até o dia de hoje). Um, me dá paz e motivação, e serei eternamente grata ao dono da empresa. O outro, uma constante "dor de cabeça",  motivo de umas tantas crises de estresse que eu tive, somente pagou o salário em dia em duas oportunidades! Me vi em diversas situações constrangedoras que não quero mais recordar, tudo em decorrência desse trabalho.

Agora, finalmente, ganhei minha "carta de auforria emocional". Sem a certeza dos futuros depósitos de INSS e FGTS (pois esta referida empresa fez a gentileza de nunca depositar), sem o salário do mês passado, e sem a certeza de receber meus direitos trabalhistas, amanhã o dia será mais lindo por eu ter a oportunidade de acordar mais tarde ao lado do meu sol, sem correria, sem pressa.

Não tenho um "tostão" no bolso, e estou cheia de dívidas para pagar (que bom, sou humana! rs) mas tenho a dignidade de poder me dedicar melhor ao meu filho e ao meu outro emprego (que poderei ir mais descansada, e não carregada de cansaço, como de rotina).

Melhor assim. Eu, que já não estava recebendo mesmo trabalhando, só estou evitando gastar mais e cumular mais juros de dívidas não cumpridas.  Ir trabalhar também gera gastos! Será que um empresário não entende a função social? Pelo visto... muita gente não entende isso ainda.

Agora que mais um passo foi dado (e o próximo está a caminho...), me sinto como se metade da bagagem desnecessária tivesse saído das minhas costas. Mas metade de mim, agora, é saudade...

Conheci pessoas amigas. Em primeiro lugar (não em grau de hierarquia, somente citação), meu chefe: o tempo nos tornou amigos, ligados eternamente pelos laços de afinidade (né, cumpádi?!). Quem eu converso, que escuta minhas besteiras, quem me orienta e me ajuda, mais que um amigo, um irmão! A continuação do meu pai quando ele não pode estar por perto. Por muito tempo sentirei falta dele me chamando de "dona maria"...carinhosamente, ou de "cabeçuda" sempre que a besteira é muito grande (sem configurar assédio moral) rs...

E o que falar do meu parceiro? Palavras que o tempo deixará cair no esquecimento? Sentimentos que nunca cairão. Nunca brigamos. Nunca nos desentendemos. Sempre tudo esteve bem...

A oportunidade de trabalhar também com quem já esteve tantos anos trabalhando ao lado do meu pai (meu outro chefe). É lindo o que o tempo é capaz de produzir.

Pessoas boas e momentos inesquecíveis. Na união dessas pessoas (somadas ao meu pai, meu chefe também e grande amigo), meus dias foram mais suaves e os desafios mais tranquilos de serem enfrentados.

Meu coração está apertado. Eu estava preparada para sair, tinha ciência que isso teria que acontecer, por mim e principalmente pelo meu filho. Contudo, eu não estava preparada para sentir saudade.

Tenho que escrever...caso contrário, vou explodir...

Tenho que agradecer ao Criador também. Agradecer por ter me apresentado essas pessoas, por tornarem as mesmas queridas em meu coração. Por eu me sentir assim por elas também.

Penso que, por agora, não quero mais falar. Quero que o restante da saudade, do afeto, habite no mundo do silêncio, guardados, presentes bem recebidos, aqueles que a gente só guarda no cofre da eternidade. Assim, só meu.

Por isso, finalizo minha postagem de hoje repetindo uma declaração que fiz algum tempo ao meu pai, quando ele estava hospitalizado. É cediço que, trabalhei nessa empresa ao lado dele e por ele, que me ajudou, me ergueu e me deu a mão quando eu mais precisava. Obrigada, meu pai!

"Faz quase 30 anos que eu admiro um homem. Não se trata de um homem qualquer, em que pese, no meio da multidão, ele seja mais um homem. Porém, no meu mundo, ele é único. Em meu sangue corre a mesma tipagem que percorre suas veias. Sou tão diferente dele, e mesmo assim, somos tão parecidos! A lembrança de seu perfume vaga em minha memória desde a infância, mesmo usando várias fragancias ao longo dos anos. Mesmo depois de adulta, muitas vezes quero o seu colo, o seu abrigo, a sua proteção. E não é por ser seu fruto que me apego a ele. Vai além. Os laços de amor que existe entre nós nos uniram de forma eterna, ternamente. Herói?Sim! Meu e de milhares de vidas salvas por sua profissão e por seu coração. Tem um pouco mais de dois anos que o coração dele duplicou. Ele se fez ainda mais amor! Me orgulho do seu caráter, do seu caminhar, do seu proceder. Eu queria que todos os que não tivessem pai pudessem tê-lo, como o meu. Eu queria que os pais pudessem ter curso com o meu. rs. Mas ele é pai de tantos outros... amigos... funcionários... porque ele se faz pai, e não tenho ciúmes. Me orgulho mais. Fecho os olhos. Momento de prece: Obrigado Senhor, pela vida do meu pai!
E quem tiver a oportunidade de vê-lo passar, assim, correndo contra o tempo, cheio de vida e sempre atrasado, deixe o meu carinhoso recado: "Sua filha pediu pra dizer, que na aula de amor, você chegou adiantado!"
Liana Patrícia, em 14 de agosto. Homenagem ao Cel. Lacerda, meu pai , meu chefe e nosso herói.

É hora de seguir...obrigada por tudo, meus citados amigos. Quero agradecer também, à Márcia, o Renato e a Elen, pelas as inúmeras vezes que me ajudaram, à Márcia pelos inúmeros risos, ao Rildo, no aprendizado nas conversas. Com o tempo, creio ser mais justa em meus agradecimentos, agora, ainda estou envolvida em milhões de pensamentos, e milhares de saudades...

Nenhum comentário:

Postar um comentário